Fases da Produção Industrial: do Artesanato à Quarta Revolução Industrial

             A evolução do processo de transformação de matérias-primas em produtos acabados ocorreu em quatro fases: artesanato, manufatura, indústria e revolução técnico- científica.

O artesanato foi a primeira etapa da transformação das matérias-primas. Essa atividade é praticada até hoje principalmente nos países subdesenvolvidos ou como atividade artística. Para a confecção de um objeto o artesão pode realizar sozinho todas as etapas da transformação da matéria-prima em produto acabado ou contar com algum ajudante, mas sem caracterizar uma divisão do trabalho.

A manufatura é a etapa intermediária entre o artesanato e a maquinofatura. Nessa etapa, além do trabalho manual, havia o emprego de máquinas simples e a divisão do trabalho e o trabalhador era assalariado. A manufatura predominou nos séculos XV e XVI, período que marcou o fim da Idade Média e início da Idade Moderna.

A Revolução Industrial e suas fases

         A Revolução Industrial (séculos XVIII e XIX) ocorrida na Inglaterra disseminou-se por outros países da Europa Ocidental, pelo Japão, Estados Unidos e Canadá.

A nova atividade transformou e agilizou o que antes era chamado de artesanato e manufatura, além de consolidar, através do imperialismo, a expansão do sistema capitalista pelo mundo então conhecido.

A Primeira Revolução Industrial

A Inglaterra foi o berço da atividade industrial. O pioneirismo inglês pode ser explicado por alguns fatores ou acontecimentos:

      Acúmulo de capital proveniente do mercantilismo e do colonialismo na fase do capitalismo comercial (do século XVI ao XVIII).

      O Estado sob controle da burguesia desde a Revolução Gloriosa (1688), que instalou a primeira monarquia parlamentar.

      Importantes reservas de carvão mineral e minério de ferro.

      Matérias-primas fornecidas pelas colônias, que formavam o maior império da época.

      Excesso de mão-de-obra causado pelo êxodo rural.

      O isolamento de seu território em relação às guerras continentais na Europa.

      A posição de seus portos, o que favoreceu os transportes e o escoamento da produção e a importação de matérias-primas.

         A “nova indústria” (maquinofatura) tem como principal diferencial do artesanato e da manufatura o uso da máquina no processo de fabricação.

A grande novidade foi a máquina a vapor, criada por Thomas Newcomen, em 1712, e aperfeiçoada por James Watt, em 1765. A energia produzida pelo vapor criou condições para que a nova atividade se desenvolvesse e, ao mesmo tempo, favoreceu uma grande transformação dos meios de transporte.

O primeiro tear movido a vapor surgiu em 1787, mais aperfeiçoados do que os teares hidráulicos desenvolvidos por Richard Arkwright (1769) e Samuel Crompton (1779) e o tear mecânico de Edmund Cartwright (1785). Essas invenções impulsionaram as indústrias têxteis, uma das principais atividades desse período, chamado de Primeira Revolução Industrial.

A energia produzida pelo vapor também foi aplicada nos transportes mais utilizados na época. Em 1787, Robert Fulton adaptou-a aos navios e, em 1803, George Stephenson construiu a primeira locomotiva a vapor.

Nessa fase o carvão mineral teve grande importância como fonte de energia, utilizada nas novas invenções, o que explica a localização das primeiras indústrias nas proximidades das bacias carboníferas, na Inglaterra, França, Alemanha e Estados Unidos.

Mas a atividade industrial não parou aí. Com o passar do tempo, novas técnicas foram criadas, novas formas de produção surgiram, e a economia mundial passou a girar em torno da indústria.

A foto a seguir mostra um caminho de ferro (estrada de ferro) das minas de carvão inglesas em 1767. Posteriormente o vapor foi utilizado para o transporte ferroviário, o que tornou possível maior rapidez.



      Fonte: COELHO, Marcos de Amorim & TERRA, Lygia. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2003.

A Segunda Revolução Industrial

Na segunda metade do século XIX (1860), a indústria assume uma nova “fisionomia”, com outras descobertas tecnológicas, novos setores industriais e fontes de energia: o petróleo e a eletricidade. A metalurgia, a siderurgia e a indústria de automóveis adquirem grande importância. É a Segunda Revolução Industrial.

As principais novidades da Segunda Revolução Industrial foram a transformação do ferro em aço (processo Bessemer, inventado por Henry Bessemer, em 1856); a invenção do dínamo e do primeiro gerador elétrico (Michael Faraday, em 1837), do motor de combustão interna (aperfeiçoado por Gottieb Daimler, Karl Benz e Rodolf Diesel, em 1883 e 1892) e do telefone (inventado em 1867 por Alexander Graham Bell).

Novos métodos de trabalho: o fordismo

Para cumprir satisfatoriamente sua finalidade no capitalismo, isto é, gerar lucro, a indústria procurou aperfeiçoar as formas de trabalha e de produção.

O engenheiro norte-americano Frederick W. Taylor inovou com o método que ficou conhecido como organização científica do trabalho ou taylorismo, que usou pela primeira vez os conceitos de seleção e treinamento de empregados e procurou obter deles a maior produtividade possível nos primeiros anos do século XX. Segundo Taylor, o empregado deveria executar uma tarefa, com o menor gasto de tempo e energia possível, seguindo o que foi determinado por seus superiores. Com isso, além de ficar alienado do processo de produção como um todo, ele trabalharia mais e o lucro das empresas aumentaria.

Na primeira década do século XX, Henry Ford, o magnata da indústria de automóveis nos Estados Unidos, aperfeiçoou as teorias de Taylor, introduzindo o método que ficou conhecido como fordismo, caracterizado pela especialização do trabalhador, pela linha de montagem e pela produção em série.

No fordismo o trabalhador era apenas (e ainda é nas empresas que não se modernizaram) uma peça do sistema produtivo, que poderia ser substituído por outro, tão logo se tornasse inútil à realização das tarefas a ele atribuídas. O trabalhador da linha de montagem realizava tarefas repetitivas por vários anos. Ele não tinha acesso a outras tarefas justamente para evitar a possibilidade de alguns operários, mais criativos, ampliarem o conhecimento sobre as técnicas produtivas. Por essa razão afirmava-se que o trabalho alienava o homem (o trabalhador).

O fordismo aproveitou ao máximo a força de trabalho e só enfraqueceu, no fim do século XX, com a introdução de novos métodos de trabalho (pós-fordismo).

A seguir, a foto da esquerda mostra a linha de montagem da Ford Motor Company, em 1913, no estado de Michigan (EUA). A linha de montagem, uma das inovações introduzidas por Henry Ford no processo de produção que ficou conhecido por fordismo, vira sinônimo de produção em série. Na foto da direta Charles Chaplin, no filme Tempos Modernos, denuncia o caráter desumano do trabalho no modelo de produção fordista, desenvolvido no início do século XX.


Fontes: COELHO, Marcos de Amorim & TERRA, Lygia. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: Moderna, 2003. TAMDJIAN, James Onnig & MENDES, Ivan Lazzari. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: FTD, 2004.

 A Terceira Revolução Industrial

A invenção do computador (1946) acelerou o processo da informatização e o desenvolvimento das indústrias ligadas ao setor. Na segunda metade século XX deu-se o início da chamada Terceira Revolução Industrial ou Revolução Tecnológica.

Nas últimas décadas do século XX, outras inovações tecnológicas transformaram profundamente a economia industrial. O uso do computador pessoal, o conhecimento de fontes de energia alternativas (solar, eólica, biomassa, das marés), a mudança na organização do trabalho (pós-fordismo) e o crescente emprego da informática na produção industrial deram uma nova roupagem ao processo de industrialização.

As principais indústrias da Segunda Revolução Industrial (automobilística, metalúrgica, siderúrgica) ainda são muito importantes, mas as atividades econômicas que mais crescem são aquelas que “vendem” serviços (informática, telecomunicações, robótica) e são chamadas de “indústrias inteligentes” ou setor terciário moderno.

A foto a seguir mostra a linha de produção da Fiat em Betim (MG), em maio de 2000. A partir da Terceira Revolução Industrial surgiu um novo modelo de fábrica. Nota- se a preocupação com o ambiente de trabalho limpo e claro, para aumentar a produtividade. A tendência é a eliminação cada vez mais do número de trabalhadores não nas indústrias automobilísticas como também em todos os tipos de indústrias, devido ao intenso processo de automação e robotização das atividades produtivas.


LINHA DE MONTAGEM DA FIAT BETIM (MG)

 

Fonte: TAMDJIAN, James Onnig & MENDES, Ivan Lazzari. Geografia Geral e do Brasil. São Paulo: FTD, 2004.

 

Os antigos fatores de localização industrial (fontes de energia, matéria-prima) perdem um pouco sua força. As indústrias buscam outras vantagens como incentivos fiscais, mão-de-obra barata e mercados consumidores, facilidade de transporte e comunicação (infovias). Por isso ocorreu uma reorganização do espaço industrial no mundo.

As empresas transnacionais diversificam sua forma de atuação para reduzir custos e aumentar o lucro. Entre as estratégias utilizadas, podemos citar as fábricas globais e terceirização.

Na Terceira Revolução Industrial surge também a “indústria da vida”, responsável pelos grandes avanços verificados na medicina e na agropecuária: a biotecnologia.

Se, por um lado, a descoberta de novos remédios ajuda milhares de pessoas, e as pesquisas biotecnológicas aumentaram a quantidade de alimentos, essas novidades têm suscitado polêmicas e discussões quanto à ética de seus procedimentos.

Em primeiro lugar, estão os efeitos que os alimentos transgênicos (modificados geneticamente) podem causar no ser humano. Até o presente momento não há ponto pacífico sobre os transgênicos, ou seja, se faz mal ou não à saúde. Também discute-se a validade da clonagem de animais e de seres humanos não só no campo da ética como também no campo da religião. Clonagem é o processo de multiplicação de células de um indivíduo que origem a outro indivíduo geneticamente igual.

A maior descoberta desse setor foi o mapeamento genético do homem (o genoma), que deverá contribuir muito para a medicina, uma vez que permite a identificação do gene responsável por determinada doença.

 

Just in time o pós-fordismo

 No século XXI, o fordismo está ultrapassado. A nova indústria precisa de um trabalhador criativo e que participe de todo o processo de produção, aumentando, cada vez, a demanda pelo trabalhador qualificado e polivalente para operar as máquinas e contribuir para a melhoria da produção. Assim, não deve haver mais a rígida separação entre a direção (que pensa) e o operário (que executa). A linha de montagem pode ser operada pelo computador, e a empresa pode empregar mão-de-obra terceirizada (temporária ou autônoma). Para evitar desperdício os estoques (matéria-prima e produtos acabados) são calculados levando em consideração as solicitações do mercado. Esse novo sistema que surgiu na década de 1950 no Japão é denominado just in time ou toyotismo.


 Quarta Revolução Industrial

 Para entendermos como chegamos à Quarta Revolução Industrial é necessário olhar para as três revoluções anteriores e analisar como cada uma delas mudou a forma de ser e estar no mundo em sua época.

Recapitulando:

1) Primeira Revolução Industrial. Tem início por volta de 1750. Alguns historiadores falam do ano de 1784, quando foi inventado o tear mecânico por Edmund Cartwright que usava o vapor como fonte de energia. O tear mecânico foi um marco desta primeira revolução industrial. Tear é uma máquina usada para fabricar tecidos.

2) Segunda Revolução Industrial. Em 1870 começa a produção em grande escala baseada na eletricidade. Inventa-se a cadeia de montagem e o setor industrial vive uma extraordinária aceleração. Em 1914 surge o fordismo, modelo de produção industrial. O fordismo se caracterizava pela linha de montagem automatizada, trabalho especializado e controle de qualidade no final do processo produtivo. Os principais objetivos era o aumento da produtividade e a diminuição dos custos de produção.

3) Terceira Revolução Industrial. Em 1969, com a informática, começa o período de programação das máquinas, o que resulta em uma progressiva automatização.

         O conceito de Quarta Revolução Industrial foi dado em 2016 pelo engenheiro e economista Klaus Martin Schwab (1938...), fundador do Fórum Econômico Mundial (1971). Disse ele: "A Quarta Revolução Industrial gera um mundo no que os sistemas de fabricação virtuais e físicos cooperam entre si de uma maneira flexível a nível global"

Trata-se de um conceito que abrange a automação industrial e a integração de diferentes tecnologias como inteligência artificial, robótica, internet das coisas e computação em nuvem, nanotecnologia etc. Desta forma, promove a digitalização das atividades industriais melhora os processos e aumenta a produtividade.

 Como surgiu a quarta revolução industrial

 Por volta de 2014 surgem as fábricas inteligentes e a gestão online da produção. Disse o engenheiro alemão Schwab, no seu livro A Quarta Revolução Industrial: "Estamos à beira de uma revolução tecnológica que modificará a forma que vivemos, trabalhamos e nos relacionamos. Em uma escala de alcance e complexidade, a transformação será diferente de qualquer coisa que o gênero humano já experimentou antes". 

Realmente esta quarta revolução industrial está trazendo grandes transformações para todos por três motivos: velocidade das inovações, alcance e impacto sem precedentes.

 Vantagens e desvantagens da quarta revolução industrial 

 Qualquer modificação nas formas de trabalho e como nos relacionamos traz vantagens e desvantagens. Mas também traz novas oportunidades. As vantagens da Quarta Revolução Industrial são evidentes:

a) melhoria da produtividade;

b) eficiência e qualidade nos processos produtivos;

c) segurança para os trabalhadores pela redução de empregos em locais perigosos e diminuição do trabalho monótono

d) aumento da competitividade;

e) desenvolvimento de produtos personalizados etc.

 

Sobre as desvantagens é possível verificar o seguinte:

 

a) a rápida velocidade das mudanças dificulta o acompanhamento profissional, gerando desemprego;

b) riscos cibernéticos que obrigam a redobrar a cibersegurança;

c) elevada dependência tecnológica e a exclusão digital;

d) escassez de pessoal qualificado etc,

Desde o início desta quarta revolução industrial já era previsto o desaparecimento de inúmeras profissões e milhões de empregos como consequência da robotização. Entretanto, tal situação pode se converter em novas oportunidades, já que com o aparecimento de novas tecnologias surgem novas profissões que criam milhões de postos de trabalho em setores emergentes. O grande problema são os sistemas públicos de ensino em geral de países como o Brasil que não cobram aprendizado suficiente desde quando os jovens ingressam na escola.

 

Tecnologias da quarta revolução industrial

 

Sem dúvida a Inteligência Artificial se apresenta como tecnologia fundamental com profundo impacto na economia, na sociedade e no mercado de trabalho. Vejamos algumas tecnologias:

 

Internet das coisas. Esta tecnologia, que nasceu para estabelecer uma conexão entre o mundo físico e o digital, revolucionou numerosos setores. Bilhões de dispositivos já estão interconectados e isto vai aumentar até que tudo esteja conectado.

 

Robôs. A robótica está sempre em evolução. Os robôs são criados especialmente para interagir fisicamente com os humanos em ambientes colaborativos. São peças-chave na indústria. Otimizam a produção e afastam os trabalhadores das tarefas monótonas ou perigosas.

 

Big data. Informação é poder. Permite a gestão e interpretação de dados em massa com fins empresariais, sobretudo quando se trata de tomar decisões e criar estratégias de mercado.

 

Impressão 3D. É possível desenvolver produtos tridimensionais de forma rápida, precisa e econômica com uma impressora 3D. Esta tecnologia é usada em diferentes setores, tais como arquitetura, engenharia, design etc.

 

Nanotecnologia. Trata-se do estudo e controle de materiais em escala nanométrica, que trabalha com átomos e moléculas. É usada em diversos setores: Medicina, Eletrônica, Ciência de Materiais, Engenharia, Tecnologia da Informação etc.

O nanômetro corresponde a um bilionésimo do metro (0,000000001 m), e foi definido pela Universidade Científica de Tóquio, em 1974.

 

A resistência dos trabalhadores nos primórdios da revolução industrial e o impacto das tecnologias no trabalho

         A exploração da força de trabalho, expressa principalmente em baixos salários e longas e exaustivas jornadas de trabalho (de 12, 14 e até 16 horas diárias), fez com que surgissem, inicialmente na Europa e nos Estados Unidos, movimentos de resistência e de luta por parte dos trabalhadores.

Durante a primeira metade do século XIX, as greves operárias ocorridas especialmente na Inglaterra fortaleceram a constituição de sindicatos, associações e partidos políticos, que passaram a defender os interesses dos trabalhadores junto à classe patronal e ao poder público.

Gradativamente, o movimento operário expandiu-se pelo mundo. No início do século XX, nasceram as primeiras entidades sindicais brasileiras, que passaram a organizar    greves por melhores condições de trabalho e de renda, redução da jornada de trabalho para  8 horas diárias e criação de leis trabalhistas que, até então, não existiam.

A partir do século XXI há aceleramento de novas tecnologias incorporadas ao trabalho, resultando em extinção de inúmeros postos de trabalho e o surgimento de novas atividades. Plataformas que operam vendas de produtos e serviços tornaram realidade em todo o mundo, mudando totalmente a natureza do trabalho.


 O que esperar do futuro?


Em matéria intitulada “Uma nova classe de pessoas deve surgir até 2050: a dos inúteis”, o site Época Negócios online (publicado em 16/01/2018 e atualizado em 27/06/2019), acessado em 14/06/2023, traz artigo publicado pelo jornal The Guardian do escritor israelense Yuval Noah Harari, professor da universidade hebraica de Jerusalém, alertando que o avanço da inteligência artificial substituirá os humanos na maioria dos trabalhos que hoje existem. Surgirão novas profissões, mas a maioria não conseguirá se qualificar para as novas funções. A nova classe que deve surgir até 2050, a dos inúteis, será formada por “pessoas que não serão apenas desempregadas, mas que não serão empregáveis", diz o historiador.

         Essa nova classe se destina a ser alimentada por um sistema de renda básica universal, entretanto, a grande questão será como manter tanta gente satisfeita e ocupada. “As pessoas devem se envolver em atividades com algum propósito. Caso contrário, irão enlouquecer. Afinal, o que a classe inútil irá fazer o dia todo?”, arremata o historiador. Matéria completa em: https://epocanegocios.globo.com/Vida/noticia/2018/01/uma-nova-classe-de-pessoas-deve-surgir-ate-2050-dos-inuteis.html – Acessado em 13/06/2023.

 

Os prósperos anos da década de 1920 e a crise econômica de 1929

             Durante a Primeira Guerra Mundial, os Estados Unidos conheceram um período de grande prosperidade econômica, pois se tornaram os principais fornecedores de matérias- primas, alimentos e armamentos para os países europeus envolvidos no conflito, ao mesmo tempo passou a atuar nos mercados abandonados por esses países. No fim da Guerra os Estados Unidos haviam se tornado extremamente competitivos e detentores de grandes conquistas tecnológicas e industriais.

Teve início, então, uma era de rápida prosperidade, na qual o governo estava afastado da esfera econômica, a produção industrial crescia e os bancos incentivavam o consumo através do crédito fácil ao cidadão comum.

        O automóvel e o rádio marcaram essa época de euforia, também chamada de Big Bussiness (Grandes